Coração Louco (Scott Cooper, 09)

Coração Louco pode ser entendido como um típico veículo de atores do cinema independente americano hoje.

Por trás da força de Jeff Bridges, Maggie Gyllenhaal e Colin Farrell em cena, há apenas um filme correto, quadrado, calculado, seguindo as regras à risca sem excessos.

Isso na verdade cria uma contradição na raiz do filme: a história do compositor Bad Blake é uma história de excessos e limites levada de forma regrada. Os excessos são, nesse caso, descritos e não sentidos, vivenciados. Fica-se sempre na margem das sensações.

Essa falta de “vida” é o que mina uma possível verdade de Coração Louco.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: