Todo plano em cinema pede (em alguns casos, implora) para ser preenchido pelo imaginário do espectador, todo plano contém buracos negros ou “foras de campo” que asseguram um lugar dentro do filme “ao meu ego” ou à “minha circunstância, cultural e histórica”, mas a cadeia de projeções e distribuições que a escuta suscita em O Menino Japonês é tão exuberante, que o lugar que a platéia ocupa é constantemente variado. Ou melhor: a platéia é obrigada a trocar com frequência de lugar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: